quarta-feira, 29 de junho de 2011

TORCIDA LEGAL






A capital paranaense será a primeira a integrar o programa do governo federal de cadastramento dos integrantes de torcidas organizadas de times de futebol, medida prevista no Estatuto do Torcedor para combater a violência nos estádios. O projeto Torcida Legal foi lançado ontem ( 28/06) em Curitiba, pelo Ministério do Esporte, e nos próximos 12 meses deve cadastrar todas as torcidas organizadas do país.


A cerimônia de lançamento do projeto ocorreu na Câmara Municipal de Curitiba. O cadastramento começa a ser feito na próxima segunda-feira, dia 4 de julho, e será realizado pelo sistema de identificação biométrica, similar ao da Justiça Eleitoral, que utiliza a impressão digital. Em Curitiba, o MP dará início ao cadastramento pelas torcidas ligadas ao Atlético-PR e montará uma central no próprio Estádio Joaquim Américo Guimarães, a Arena da Baixada.

O torcedor deverá levar seus documentos pessoais e terá sua impressão arquivada, para facilitar a identificação, quando necessário. Nas semanas seguintes, serão cadastradas as torcidas do Coritiba e do Paraná Clube. Até julho do ano que vem, o Ministério do Esporte pretende cadastrar os integrantes de 475 torcidas organizadas do País.


Segundo a coordenadora da Assessoria Especial de Futebol do Ministério do Esporte, Sara Carvalho, a ideia é traçar um perfil de quem frequenta os estádios para identificar o mau torcedor. “Queremos mudar a cultura da ida aos estádios. Voltar aos velhos tempos, quando toda a família comparecia sem medo da violência. A cultura do esporte é a agregação das pessoas, é isso que queremos retomar”, disse ela.

O cadastro consiste na coleta de digitais, fotos e na conferência de documentos. Será realizado pelo sistema de identificação biométrica, similar ao da Justiça Eleitoral, que utiliza a impressão digital. A assessora lembrou que muitas vezes um torcedor, isoladamente, arruma confusão e acaba comprometendo toda a torcida. “Com o cadastro, vamos agir com os rigores da lei em relação apenas ao infrator”.

A iniciativa recebe o apoio do Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Curitiba. Para o promotor Maximiliano Ribeiro, organizador da ação no estado, o Ministério do Esporte atende ao interesse de todos - “da população, dos órgãos públicos, das torcidas e dos clubes. Mas o projeto só vai dar certo se contar com a colaboração de todos. Isoladamente não vai funcionar”.

Segundo o promotor, esta é uma oportunidade de conhecer o torcedor bem intencionado. “O mau torcedor não vai querer ser inserido em um programa de ajustamento de conduta”, comentou.

Júlio Cezar, presidente da torcida organizada Fanáticos, do Atlético Paranaense, disse que este é mais um ato para garantir a sobrevivência das torcidas. “No nosso histórico, temos aproximadamente 26 mil pessoas. Mas não estamos preocupados com quantidade, queremos qualidade e atitude das pessoas. Nossa prioridade é a família indo ao campo”.

Para Luiz Fernando Papagaio, presidente da Império Alviverde, do Coritiba, não é só o cadastramento que vai acabar com a violência, “tem que haver mais comprometimento entre todos os setores, principalmente dos clubes”.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

GARRAFAS PET VIRAM UNIFORMES - SANEPAR








A SANEPAR - Empresa de saneamento do Estado do Paraná ,da um exemplo ao Brasil e porque não ao resto do planeta , confeccionando uniformes para os funcionários usando como matéria prima as garrafas PET , essas mesmas que vemos jogadas em rios e represas , o mesmo material ja é usado na confecção de tecidos por outras empresas do setor privado.



O PET (Poli Tereftalato de Etileno) é um poliéster, plástico usado na fabricação de garrafas, frascos e embalagens para refrigerantes, águas, sucos, óleos comestíveis, medicamentos, cosméticos e produtos de higiene e limpeza. A reciclagem do produto traz grandes benefícios ao meio ambiente, visto que cada garrafa PET demora 200 anos para se decompor.

Em dois anos, 174 mil garrafas PET foram recicladas para a confecção dos tecidos para os uniformes de leituristas, operadores de estações de tratamento e pessoal de manutenção da Sanepar. A fibra reciclada de PET é misturada à fibra de algodão, o que garante conforto e durabilidade aos uniformes dos empregados da empresa.

Para confeccionar uma camiseta do uniforme da Sanepar, são recicladas duas garrafas. A calça aproveita três garrafas; o chapéu, uma e a jaqueta, cinco garrafas. "A preocupação ambiental está presente em todas as áreas da companhia, inclusive nos uniformes que usamos", afirma o gerente da Unidade de Serviço de Materiais da Sanepar, Eduardo Lauand Neto.

A leiturista Juliana Carolina Rodrigues(foto acima) que trabalha há mais de dois anos em Curitiba e Região Metropolitana, destaca que todas as peças do uniforme são confortáveis e fáceis de lavar: “A calça tem secagem rápida. A jaqueta é bem resistente para o dia-a-dia e quentinha.”

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de PET (Abipet), em 2008 foram recicladas no Brasil 253 mil toneladas de embalagens. Destas, 38% foram encaminhadas para a área têxtil. Além de contribuir para a formação de cooperativas e para a organização dos catadores de lixo, a reciclagem promove ganhos ambientais. Para produzir um quilo de malha com PET são recicladas 11 garrafas de dois litros de refrigerante.

Ao reusar o material, a indústria deixa de produzir novas unidades de tereftalato de etileno (poliéster), economizando água, energia e matérias-primas, como o petróleo. A reciclagem também evita o acúmulo do material em lixões e aterros.

MARCHA DA MACONHA LIBERADA






O STF (Supremo Tribunal Federal) liberou nesta quarta-feira (15), a realização da Marcha da Maconha , evento que reúne, em diversas cidades brasileiras, pessoas favoráveis à legalização e descriminalização da droga.

Para os ministros, os direitos constitucionais de reunião e de livre expressão do pensamento garantem a realização dessas marchas. Muitos ressaltaram que a liberdade de expressão e de manifestação somente pode ser proibida quando for dirigida a incitar ou provocar ações ilegais e iminentes.

Pela decisão, tomada no julgamento de ação (ADPF 187) ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o artigo 287 do Código Penal deve ser interpretado conforme a Constituição de forma a não impedir manifestações públicas em defesa da legalização de drogas. O dispositivo tipifica como crime fazer apologia de "fato criminoso"(uso da droga) ou de "autor do crime"( usuáro).

O voto do decano da Corte, ministro Celso de Mello, foi seguido integralmente pelos colegas. Segundo ele, a marcha da maconha é um movimento social espontâneo que reivindica, por meio da livre manifestação do pensamento, a possibilidade da discussão democrática do modelo proibicionista (do consumo de drogas) e dos efeitos que (esse modelo) produziu em termos de incremento da violência.

Além disso, o ministro considerou que o evento possui caráter nitidamente cultural, já que nele são realizadas atividades musicais, teatrais e performáticas, e cria espaço para o debate do tema por meio de palestras, seminários e exibições de documentários relacionados às políticas públicas ligadas às drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas.

Os ministros afirmaram que proibir a marcha seira considerar que a legislação penal brasileira não pode mudar. ‘Nenhuma lei, nem penal, pode se blindar contra a discussão de seu conteúdo. Nem a Constituição’, disse Ayres Britto.

Já Marco Aurélio ao final de seu voto fez uma brincadeira, dizendo que o voto de Celso de Mello foi “muito bem baseado”, provocando risos no plenário do Supremo.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Gleisi Hoffmann - A mão direita de Dilma






De família de origem alemã e catarinense, recebeu o nome de Gleisi em referência à Grace Kelly. Viveu a infância e adolescência na Vila Lindóia, bairro de Curitiba, ao lado do pai Júlio, da mãe Getúlia e dos três irmãos.
Recebeu educação básica no colégio Nossa Senhora Esperança, administrado pelas irmãs bernardinas, onde permaneceu até a oitava série. Em seguida, integrou o Colégio Medianeira, de formação jesuítica. Durante a adolescência, pensou em seguir a vida como freira no Rio Grande do Sul, mas foi impedida pelo pai.
Antes de ingressar na universidade, cursou Eletrotécnica no Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (Cefet-PR), onde desenvolveu a militância estudantil ao ser eleita presidente da União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas de Curitiba (Umesc) e, posteriormente, para a União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (UPES) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES).
Em 1987, iniciou a gradução em Direito da Faculdade de Direito de Curitiba e, em seguida, obteve especialização em Gestão de Organizações Públicas e Administração Financeira na Associação Brasileira de Orçamento Público e na Escola Superior de Assuntos Fazendários do Ministério da Fazenda.
Esposa de Paulo Bernardo (Ministro das Comunicações), tem dois filhos (João Augusto e Sofia. Seu primeiro matrimônio foi com o jornalista Neilor Toscan.

Carreira política
:

Em 1983, Hoffmann teve o PC do B como o primeiro partido político, herança do seu período no movimento estudantil.Nesse período, recebeu influências de seus livros de cabeceira, Veias Abertas da América Latina, de Eduardo Galeano, e Manifesto Comunista, de Marx e Engels, conforme revelação ao jornalista Aroldo Murá Haygert no livro Vozes do Paraná.
Durante o período de graduação, passou a atuar como assessora parlamentar na Assembleia Legislativa do Paraná.Em seguida, integrou a assessoria do então vereador Jorge Samek, de Curitiba, o mesmo que a levou para a Itaipu Binacional e, mais tarde, ao PT.
Em Itaipu, desenvolveu ações de responsabilidade social para funcionários, comunidade de Foz do Iguaçu e Paraguai, como reestruturação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti e criação da Casa Abrigo voltada para mulheres e crianças vítimas de violência doméstica.
Integrante do PT desde 1989, foi, em 1999, secretária de Reestruturação Administrativa, no Mato Grosso do Sul, durante a gestão de Zeca do PT, na qual promoveu corte de gastos e cargos comissionados, e, em seguida, secretária de Gestão Pública da prefeitura de Londrina.Compôs, em 2002, a equipe de transição de governo de Luiz Inácio Lula da Silva, quando seria nomeada a diretora financeira da Itaipu Binacional. Ali permaneceu até início de 2006, ano em que disputaria seu primeiro cargo eletivo. Na disputa por uma vaga ao Senado Federal não obteve êxito apesar de expressiva votação.
Tornou-se presidente do PT no Paraná e, em 2008, candidatou-se à prefeitura de sua cidade natal, Curitiba, mas obteve o segundo lugar com 18,17% do votos,derrotada por Beto Richa.
Em 2010, disputou novamente o cargo de senadora, elegendo-se desta vez como a primeira mulher e mais votada, juntamente com Roberto Requião.

Vasco Campeão - Coritiba prejudicado pela Arbitragem








O Couto Pereira foi preparado na noite desta quarta-feira para um jogo digno de final. Uma vitória por 3×2 marcada pela pela determinação da equipe coxa-branca, marcações duvidosas da arbitragem e muita catimba do adversário deixaram o Coritiba como vice-campeão da Copa do Brasil 2011.
Para esta final, sem poder contar com o atacante Anderson Aquino, suspenso, o técnico Marcelo Oliveira colocou Edson Bastos, Jonas, Demerson, Emerson, Lucas Mendes, Léo Gago, Willian, Marcos Paulo, Davi, Rafinha e Bill.
Nos primeiros minutos só deu Coxa. O Alviverde precisava fazer o resultado e, na pressão da torcida, foi pra cima do Vasco. Mas quem saiu na frente no placar foi o adversário, aos 11′ com Alecsandro.
Com o gol sofrido, o time ficou nervoso em campo. Para deixar a equipe mais ofensiva, o treinador coxa-branca substituiu Marcos Paulo pelo atacante Leonardo, aos 27′. E aí só deu Coritiba mais uma vez.
Aos 29′, Jonas tocou de cabeça para Bill empatar. Sem tempo para comemorar, o artilheiro pegou a bola no gol e levou para o meio de campo, na expectativa de recomeçar a partida e buscar o placar.
Depois de muitas chances, mais um para o Verdão. Aos 44′, Rafinha bateu para o gol, Fernando Prass deu rebote e Davi não perdoou: fez 2×1.
No intervalo nenhuma alteração. O Coritiba voltou a campo pra cima do adversário, buscando o gol. Logo no início, Davi cobrou falta e Fernando fez a defesa. O novo castigo veio aos 12′, quando Éder Luís recebeu na frente e mandou de longe para o gol.
Marcelo Oliveira mudou. Primeiro Lucas Mendes saiu para entrada de Eltinho. Depois foi a vez de Léo Gago sair para entrada de Marcos Aurélio. O Coxa seguiu pra cima. Aos 20′, em boa trama no ataque, a zaga vascaína cortou. A bola sobrou para Willian e ele mandou uma bomba no ângulo de Fernando. Um golaço!
À frente no placar, o Alviverde ganhou confiança e foi direto para o ataque. Foi só pressão até o final, criou jogadas rápidas e mostrou toda a sua força ofensiva. Aos 24′, o lance mais polêmico do jogo: Leonardo recebeu a bola na área e foi derrubado, em jogada que o árbitro nada marcou, mandou seguir.
Nem assim o Coritiba desistiu. Foi guerreiro até o último minuto e ainda teve aguentar a catimba do adversário, que teve seu goleiro, Fernando Prass, caído ao gramado mais de cinco vezes.
Mas nada apaga a campanha histórica do Coxa nesta temporada. Um time que venceu grandes adversários, goleou, teve o maior saldo de gols e mostrou que está unido para vencer. Agora a equipe se mostra 100% focada no Campeonato Brasileiro, no qual trabalha para deixar o Coritiba lutando sempre pela ponta de cima da tabela.


O vice-presidente do Coritiba, Vilson Ribeiro de Andrade parabenizou o grupo do Coritiba e diz que deixa a competição com o sentimento de campeão. "Faltou um gol. Fomos infelizes neste jogo. Me considero vencedor e campeão da Copa do Brasil", disse.

O dirigente também criticou a arbitragem de Sálvio Spíndola e o goleiro vascaíno, Fernando Prass. "Eu lamento uma arbitragem extremamente infeliz. O Fernando Prass do Vasco apitou o jogo. Tivemos um pênalti. O árbitro foi covarde e não teve peito para dar. O Vasco foi inteligente e jogou com o equipamento embaixo do braço. O Prass deveria se aposentar e ser árbitro",

quinta-feira, 2 de junho de 2011

NOTAS MANCHADAS




Acabou a discussão sobre as notas manchadas que estão circulando no mercado. Se você receber uma, não aceite. Todas são suspeitas de terem sido roubadas de caixas eletrônicos. A orientação é do Banco Central para dificultar a circulação de dinheiro roubado e tentar desestimular o roubo a caixas eletrônicos, que aumentou muito nos últimos meses.

Quem se distrair e receber uma cédula rosa deve levá-la a um banco. A nota só será trocada se for comprovado que a mancha não é do sistema antifurto. Caso contrário, prejuízo: quem pegou a nota não vai receber o valor de volta.

Notas assim não valem mais. Para tentar reduzir o ataque de quadrilhas, agora, caixas eletrônicos têm uma tinta que mancha as cédulas de rosa quando são arrombados.

“Não receba, você é que vai cair no prejuízo. Se todos nós fizermos isso, ela não vai ter circulação nenhuma, porque ela não tem mais valor, ela foi obtida de um ato ilícito”, reforça o diretor técnico da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Wilson Gutierrez.

Ninguém deve aceitar estas notas. Mas, se acontecer, é preciso entregá-las imediatamente a uma agência bancária para análise do Banco Central. Se for comprovado que a cédula não veio de um caixa eletrônico arrombado, o cliente será ressarcido.

Alguns bancos já colocaram avisos nos terminais. Caso o correntista retire notas manchadas, ele deve pegar um extrato para comprovar o saque e chamar o gerente. Se a agência estiver fechada, é melhor fazer também um boletim de ocorrência. O Banco Central recomenda atenção dos consumidores.

Ao todo, 75 mil notas manchadas estão em circulação. Assim, se a mancha for cor de rosa, mesmo que pequena, é melhor recusar para não correr o risco de receber dinheiro roubado.
Ocorreu um erro neste gadget